A indústria da comida – parte 3 : A carne é fraca

Chamou-me a atenção em conversas com amigos e também um documento sobre

o impacto ambiental social e econômico da produção animal.

Eu já havia conversado sobre isto e principalmente em “rodas de conversa” sobre a política atual do governo em favorecer demasiadamente a exportação de commodities, sendo a principal delas, a soja. Eu já sabia que este produto  era para produção de ração animal e não para consumo humano (sim .. dá para comer soja além de usar apenas como óleo), mas confesso que os números e informações apresentados são impressionantes.

Compartilho algumas informações sobre a produção de carne (um resumo) :

80 % da produção de soja incluindo parte que exportada é destinada a ração animal.
Milho e aveia encontram-se na mesma escala
Fonte : www.aprosoja.com.br/sobre-a-soja/Paginas/Os-usos-da-Soja.aspx

Mais de metade da água do mundo é destinada a pecuária em geral :

Fonte: FAO : Organização da ONU  para Alimento e Agricultura :http://www.fao.org/docrep/010/a0701e/a0701e00.HTM

E o destino do mundo pode ser que o mundo torne-se vegetariano por força da falta de água,  conforme esta matéria da Exame : exame.abril.com.br/meio-ambiente-e-energia/noticias/falta-de-agua-pode-tornar-o-mundo-vegetariano

A implicação disto é que vários locais do mundo, as pessoas tem problema com água mas o gado continua sendo abastecido, para gerar uma quantidade de comida muito menor que a produção de vegetais.

A pecuária é a maior responsável pelo desmatamento ou deflorestamento para que a área seja destinada a pasto (e não para agricultura). Alguns números da Amazônia :

– 80 % do desmatamento (deflorestamento) da Amazônia deve-se a pecuária :

Fonte : Inpe – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – projeto TerraClass , página 30 : www.inpe.br/cra/projetos_pesquisas/sumario_executivo_terraclass_2008.pdf

Número de doenças de origem animal :

Fonte : Terra Noticias :http://noticias.terra.com.br/ciencia/crise-ameaca-luta-contra-doencas-de-origem-animal,a40827b8a17ea310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html

Além destes itens acima citados, existe também questões sociais ligados ao trabalho, tais como:

Há ainda outras informações sobre Gases de efeito estufa causados pela emissão de gases dos animais, incidência de câncer, etc, mas decidi não colocar tudo neste artigo.
Se alguém tiver interesse, procure pelo livro Impacto Ambiental Social econômico da produção animal – L. Schultz e Camila Carbornar, Ed. Orca.

Os valores e impactos para produção de 1 kg de carne comparado com outros alimentos vegetais é enorme.

No entendimento deste autor, não deixarei de comer carne, mas eu já tenho diminuído o consumo . Primeiro porque os médicos sempre estão a dizer sobre o excesso de carne vermelha e problemas relativos com problemas cardio-vasculares, diabetes, e outros , tais como “gota” vinculados diretamente ao consumo de carne. Além disto, o preço está nas alturas.  

Como tudo relacionado a comida, não estou a virar um vegetariano, mas confesso que fiquei bem impressionado com os números e principalmente pelas fontes das informações. São fontes sérias, tais como FAO, INPE, etc.

Os impactos sociais e ambientais são surpreendentes. Além disto, precisamos ter em mente que falta de água não é apenas um problema ambiental – é um problema social.

Em questões de saúde, há uma proposta de experts da Universidade de Harward para mudança nos menus dos restaurantes até lanchonetes para que sejam adotados alimentos mais saudáveis e para façam parte de uma dieta saudável.

Este assunto partiu de encontros entre experts de Harward, cozinheiros , chefs e membros da indústria americana. A idéia é que os cardápios deveriam conter , basicamente :

  • mais frutos do mar
  • menos sal, açucar e carne vermelha
  • diminuição das porções
  • consumo de óleos saudáveis
  • ter em mente eprocurar inspiração em pratos (globais) feitos com vegetais

O encontro não foi apenas quanto a saúde humana mas também devidos aos problemas ambientais causados pela nossa alimentação.
(fonte : http://news.harvard.edu/gazette/story/2013/06/healthy-menus-for-people-and-planet/.
Fiz questão de mencionar os números e mencionar as fontes, para que os leitores deste artigo percebam que não se trata de um movimento “vegetariano” mas sim de um problema sócio-ambiental e também econômico.

Aqueles que já conversaram com missionários da África ou já estiveram lá, sabem dos problemas para alimentação daquele povo. Muitos missionários preocupam-se muito em levar o alimento para a alma ( a Palavra de Deus), mas também em levar o alimento para o corpo . E eles sabem exatamente como é difícil !

Outras organizações que tentam levar comida para África, Índia e vários países da Ásia sofrem com o descaso das lideranças dos países e também dos grandes produtores de alimentos.  Assistindo um simples documentário em TV Paga sobre este tema é suficiente para entender que o processo de fome no mundo é um problema enorme e que talvez pudesse ser sanado com formas simples de agricultura e com a mudança de grandes plantações de soja e aveia para alimentar o gado. Além disto há o problema da água, que é escassa em vários países do mundo, inclusive desenvolvidos.

Na nossa realidade brasileira, penso que os leitores deste post devem ter sentido nos últimos anos a variação “para cima” do preço do pãozinho. Isto se deve porque os agricultores migram do trigo para plantar soja. O mesmo ocorrendo com o feijão , onde (sic), importamos da China conforme notícia do Estado de São Paulo http://economia.estadao.com.br/noticias/economia-brasil,governo-zera-imposto-de-importacao-do-feijao,157424,0.htm

A soja não é o único inimigo.. há também questões tributárias, mas a soja é sempre vista com “bons olhos” pelo governo , porque é um item chave na exportação .

Caros leitores, apenas  mostro este assunto porque achei de grande utilidade visto que para grande maioria pode ser um item de desconhecimento, e também para incentivo ao consumo de alimentos vegetais, seja pelo problema de saúde, seja por sua consciência social. Tenho observado a quantidade de carne consumida pelas pessoas diariamente e não é a toa que estamos nos tornando um país de “obesos, diabéticos e com pressão alta”.

Devemos sempre nos lembrar de que precisamos estar atentos com a justiça, neste caso, direito a comer pelo menos 3 refeições diárias. Talvez para você não há nenhum problema, mas há um grande número de pessoas que não se alimenta desta maneira. Não estou falando de pessoas na África, mas pessoas próximas. Cite trecho do artigo da Anpec

A Região Sul é formada pelos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul,
totalizando, em 2010, uma população de 27,384 milhões de habitantes (IBGE, 2012). Tal
localidade se apresentou como a segunda região mais importante na formação do PIB nacional, em
2009, atingindo 16,54% do total, com um PIB superior a R$535 bilhões, ficando atrás apenas da
região Sudeste (IPEADATA, 2012b). Contudo, apesar da sua posição relativamente favorável, a
pobreza e a miséria, como visto anteriormente, ainda se manifestam para grande parcela de sua
população (SOUZA, 2009)

 

Alguns versos bíblicos para pensarmos e meditarmos :

Salmos 5.4 Deus não tem prazer na iniquidade (praticar iniquidade = saber que algo é errado e mesmo assim fazê-lo)

E alguns versos sobre injustiça

Provérbios 16.8

1 Cor 13.5-7 – o amor não folga com a injustiça

Provérbios 10.11

Mateus 5.6-7  Palavras de Jesus sobre os que tem fome e sede de justiça

Não estou levantando aqui uma bandeira “social” ou mesmo vegetariana. Estou apenas tentando passar informação e tentando passar uma reflexão sobre o assunto.

Como já escrevi acima, não deixarei de consumir carne, mas a questão aqui não está ligada ao ponto da carne, mas sim injustiça social, consumo exagerado e até “capitalismo selvagem”.

Caro leitor, penso que é bom uma reflexão sobre o assunto, sobre hábitos alimentares e

sobre questões de ordem social, econômica e ambiental.

Sugestão de vídeo  :   a indústria da comida  . Vale a pena!!!!

Comentários são bem vindos.

Deus abençoe a todos

Anúncios

Sobre Abimael Jr

Cristão evangélico pentecostal, membro e presbítero da igreja Assembléia de Deus. Doutorando em Engenharia Mecânica. Tentando falar um pouco sobre Deus, Jesus Cristo e nossa vida cristã diária. Mas também falando de vários outros assuntos como Tecnologia, Política, Sociedade, Cidadania, Sexo, Tabus e até do tempo (será que vai chover hoje?).
Esse post foi publicado em Comportamento e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para A indústria da comida – parte 3 : A carne é fraca

  1. Pingback: A indústria da comida – parte 4 | Pensamentos e viagens

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s